domingo, 11 de dezembro de 2011

Naquela estação



Se não me falha a memória, essa foto vai fazer 4 anos no ano que vem. Essa foto, que marcou um significante período da minha vida – um período cinza, sombrio e de espera - foi tirada pelo Maurício Pokemon, aquele amigo legal da faculdade, antes é claro, dele se tornar o que é hoje para mim.

Uma menina magricela, de cabelos assanhado e coletinho, observa o horizonte numa intrigante perturbação: "Pra que os trilhos, se não passa o trem?”. Um local de embarque e desembarque vazio e triste, numa simetria harmoniosa de sombras e contrastes. Era igual, igualzinho o meu coração. Era como um raio-X. Posso dizer, com certeza, que essa é uma das melhores fotos que eu tenho. Mas como aquele garoto conhecia tão bem o que se passava dentro de mim?

Essa foto, tão explícita e reveladora, foi apenas a primeira de muitas que ganhei daquele que até hoje tem gosto em me fotografar. De lá para cá, foram lentas e deliciosas as conquistas – como convém a descoberta de um grande amor. Eu fui ganhando tempo, espaço, importância, um blusão pra dormir e uma escova de dente no banheiro dele.

Hoje, dia 12 de dezembro, completamos um ano e meio de namoro. Posso dizer que em todo esse tempo muitas fotos (mais felizes) foram registradas no papel e no meu coração. Feriados de curtas viagens, semanas de puro trabalho, domingos de intenso amor.

Uma vez, ainda na faculdade, lá pelo fim de algum período, perguntei-lhe: “E agora?”. Foi quando ele, daquele jeito meigo e sem dúvida no olhar, profetizou: “A única certeza que tenho pro meu futuro, é que você vai estar lá”. Eu estou aqui, e vou estar sempre, e não há qualquer outro lugar no mundo onde eu queira estar, se não a seu lado.

E quanto a foto acima, eu estava completamente enganada. Não havia porque esperar trem algum. Meu coração já estava batendo naquela estação.

(Te amo, poks ;*)

2 comentários:

  1. Eita, e como eu teu amo ein. Eu aqui, na madrugada, sozinho no quarto, mas a sintonia em você, sabendo que estamos juntos, mesmo distantes em poucos kilometros. Tiamomuitodemais.

    ResponderExcluir