segunda-feira, 24 de maio de 2010

Carta a quem já se foi

Teresina, 24 de maio de 2010

Oi, vozinha.

Um ano inteiro já se passou e a sua ausência continua cada vez mais presente nessa casa, incrível. Pouca coisa, aliás, mudou por aqui, desde que você partiu. O vovô mandou podar mais as árvores do terraço lá de fora, mas isso eu nem queria contar - sei o quanto lhe contrariava o sol batendo no seu conjunto de cadeiras.

Bom, eu, confesso, não tenho sido uma boa neta. Continuo juntando o dinheiro da merenda pra tomar cerveja. Sabe como é, que também sem a bebida ninguém aguenta esse rojão, já dizia algum chico ai qualquer. Também esqueço diariamente de tomar as vitaminas que ele me dá, com tanto carinho e preocupação. Fico irritada porque ele desliga meu ventilador e tenho feito um esforço tremendo pra ter paciência de responder todos os dias as mesmas perguntas. Desculpa, vó. Isso não é lá o conceito de neta exemplar que vocês queriam, mas eu tô tentando.

Ok, não sou de todo tão cruel assim. Eu tenho corrido bastante, arrumei um estágio novo, vó! Agora eu saio de casa no começo da tarde e só volto depois das 10. Pego 3 ônibus por dia, e entendi porque todo mundo que trabalha no MN se mantém em forma: subo uma ladeira enooooorme naquele sol bacana de meio dia pra chegar na redação. Tá sendo cansativo, mas eu tô curtindo, sabe. Acho que até já fiz alguns amigos. Já fui pra jantarzinho e já descolei até carona pra aula, ó.

Aliás, por falar em amigos, eu estou numa fase tão boa com eles. Estreitando a relação com alguns e recuperando laços com outros. Me sinto tão bem, numa das melhores fases da minha vida, sério. Ao mesmo tempo em que, lamento pela fragilidade de algumas relações. É que tá tudo tão fugaz ultimamente, vó. Eu juro que tentei, mas não consigo ser de outro jeito: sou romântica e ainda espero a ligação no dia seguinte, ok.

Saindo dessa melosidade de amizade-amor - porque, embora casar esteja longe dos meus planos, eu ainda fico curiosa em saber quem será o marido perfeito que a senhora dizia estar reservado pra mim - estou quase terminando a faculdade. Não lamento por você não estar aqui pra compartilhar isso, nem vai ter festa mesmo, hahaha. Penso em fazer uma viagem, esticar logo uma pós, um mestrado, ou algo do tipo. Eu não posso parar de estudar não, vó, tanta coisa ainda me interessa. Mas, isso são planos pro fim do ano.

Ainda continuo fazendo coisas das quais me arrependo. Mas pelo menos descobri que isso é inevitável, e aprendi simplesmente a não me importar com elas. Continuo também relapsa com contas e prestações, e suspeito até mesmo que minha internet esteja pra ser cortada novamente - esqueci de pagar, novidade... O dinheiro também, nem consigo organizar. Tenho cada vez mais necessidade de compras do que a capacidade do meu dinheiro de pagá-las.

Amanhã, pro aniversário da De Deus, estamos planejando pro almoço, adivinha só? Creme de galinha! Hahahaha. Não será tão gostoso sem você, claro. Mas a gente vai tentar, ok? Sei o quanto é importante pra você que a gente seja feliz por aqui, e é isso que eu tô tentando, diariamente, sem nem exigir muito. Sou feliz por cada dia ter mais certeza do que quero pro futuro e por ter uma sensação estranha de que coisas boas estão reservadas nele. E, se por acaso tudo começar a desandar, eu vou agir com fé, como você sempre ensinou.

Agora preciso ir.

Um beijo cheio de saudade =*

Luana.