quarta-feira, 17 de junho de 2009

Cozinheiro é a #$5@&**#$

Hoje levei um banho de água fria. Daquela bem fria mesmo, congelante, que mamãe me enfiava embaixo quando eu acordava cedo pra ir pro colégio.

Estava eu tirando todas as minhas dúvidas com o professor de rádio às vésperas de finalizar meu documentário (tchan tchan tchan tchan, vem aí, mais uma super produção!), quando a gente ver na tv do laboratório a notícia: STF decide que diploma de jornalismo não é obrigatório para o exercício da profissão.

Ficou aquele silêncio por alguns instantes na sala. Eu senti de repente tudo aquilo que vivi durante esses três anos e pouco de faculdade fazendo parte de um passado distante que não vai me servir pra mais nada que não seja motivo de piada: "olha gente, eu consegui um diploma pra botar embaixo da cama".

E o silêncio cotinuou. Um olhou pra cara do outro, e eu resolvi arriscar:
- Me senti ofendida.
- E eu me senti desempregado! - rebateu meu professor.

O certo é que é muito fácil neguim vim falar de direito a liberdade de expressão quando não é o dele que tá na reta. Trazendo essa decisão pra relidade em que vivemos aqui, a coisa agora ficou foi fedeeeeendo, meus amigos. Trabalhamos muito, ganhamos vergonhosamente pouco e concorremos com gente da pior raça: jornalistas. Se já tá ruim arrumar emprego com formação, imagine quando o seu Severino, o quebra-galho, tiver um blog na internet e conseguir ocupar as poucas vagas da área de comunicação nessa bosta de cidade. E o que é que eu vou fazer da minha vida, se qualquer um agora vai poder chegar e fazer com domínio aquilo que eu levei anos e anos pra aprender? E, num aspecto mais amplo, o que é que vai ser da humanidade, minha gente? Onde é que a gente vai parar quando qualquer post idiota como esse, cheio de palavrões e chavões for considerado "jornalismo"? Não, eu não quero estar aqui pra ver isso. Adeus, vou subir no meu ego e me jogar.

Putz, que fosse a favor da não obrigatoriedade, tudo bem, agora comparar com a profissão de cozinheiro é fodaaaaaaaaaa, viu. "Ah, mas não precisa ficar irritadinho nem fechar as faculdades, o curso vai continuar existindo nos moldes dos cursos de culinária (an?), moda ou custura (oO) nos quais o diploma não é requisito básico..."

Putaquepariu, mermão! Pois eu vou fazer cuzcuz ali que é mais negócio, pelo visto.
É por isso, aliás, que eu fui a favor da campanha do desarmamento, porque se eu tivesse um revólver essa hora aqui em casa...

Oooow meu deeeus, por que não dei ouvidos ao meu pai ;~~~~~

Tchau, fui fazer direito e ser mais um desses advogados de merda que mudam só os nomes e as causas nos documentos pré-prontos no word ;]

2 comentários:

  1. rapaz, eu, que não jornalista, fiquei indignado, imagino então a sua ira! Realmente foi uma vergonha, e o pior: nem disputada foi a votação, foram 8 votos a favor somente 1 contra! De fato, quando o Severino tiver um blog e for considerado jornalista... parem as máquinas, é a era de aquário chegando! É uma lástima Deoclésio...

    APS

    ResponderExcluir
  2. Caaaaara, hoje de manhã quando vi a notícia no jornal fiquei imaginando o que você ia escrever aqui. É ridículo, se qualquer um puder escrever onde vai parar:
    1- a qualidade das notícias
    2- o bom português
    3- a ética - já em desuso - dos profissionais

    A situação já é tosca com as notícias nesse país, o critério pra dizer se é notícia ou fofoca de vizinha é meio defasado.

    Deprimente. Nunca vão fazer isso com a profissão de advogado que é só saber de lei e jurisprudência que 'tamo no rumo, no leitinho das crianças deles quero ver quem vai mexer.

    Enfim, cozinheiro??? Como assim?
    Revoltante.

    ResponderExcluir