segunda-feira, 30 de março de 2009

Por que não?

'o sol nas bancas de revista
me enche de alegria e preguiça
quem lê tanta notícia
eu vou...'

Caetano Veloso / Alegria, alegria

Segunda-feira

O dia hoje tá todo estranho.
Estou trabalhando de casa, minha mãe levou café na cama, almocei caldinho de feijão, o Piau Pop vai ter Exaltasamba e o meu notebook ainda não chegou.

Quer dizer... estranho seria se ele tivesse chegado.
É, acho que tá tudo normal.

sexta-feira, 27 de março de 2009

O Nilsinho chegoooooou! É mentira....

Confesso que se não fosse o fato de ter escolhido a carreira de jornalismo, Teresina pra mim seria pouca coisa a mais que centro-zona leste. Tenho conhecido grande parte da cidade nas pautas da tarde pegando carona nos carros do jornal e da tv O Dia (Jailson, como você e sua motinha fazem falta...)

Pois bem. Hoje fomos a caminho da CICO - Comissão Investigadora do Crime Organizado - lá no inferno da pedra virando a direita. Atrás de que? Uma única foto, desfocada que fosse do bandido-criminoso-marginal-malandro celebridade da vez: Michel Feitosa. Não, minto. Na verdade o todo-todo mesmo é o Nilsinho, acusado de assassinar a estudante Thallyne Teles (que morreu com dois tiros e foi abandonada em Buriti dos Lopes, todo mundo tá careca de saber...). Mas, na tentativa de fulga, o Nilsinho pegou dois tiros e tá internado ainda no Ceará, onde foi capturado (coisa de filme mesmo, sabe). Comentávamos no carro (eu, o motorista e o Oliveira, repórter do Jornal), que um pai de família quando leva uma topada na rua é capaz de morrer na hora, mas um bandido desse...

Enfim, conversa de bastidores. Não cabe a nós jornalistas julgar e sim apenas revelar os fatos. Por isso fomos em busca da foto do Michel, sobrinho de Nilsinho, que na verdade só deve ter ajudado a esconder o corpo, ao que tudo indica. Mas sim, chegamos lá e...alarme falso. Não tinha nada, nem bandido, nem foto. Só o delegado Bonfim Filho comendo uma rosquinha. (E na verdade, também não tinha rosquinha, mas eu botei isso porque sempre tem um delegado comendo rosquinha em filme policial...)

A verdade é que, na ânsia em dar a notícia em primeira mão, alguns meios de comunicação sairam divulgando em manchetes espetaculosas que o assassino-celebridade da vez já estava na cidade. Tu-do mentira. Mas tudo bem, o show tá só começando...

quinta-feira, 26 de março de 2009

Carta 4

Querido Xilipe,

aqui vai ter show do Chico César e eu voooooooooooooooou!

Mas enfim, sinto saudades...
Sonhei contigo dia desses. Que tu voltava, me ligava, e eu desesperada dizia 'meldeos, vamos fazer algo antes que você vá pra longe de mim de novo!', e você dizia que nunca mais ia sair daqui. Bobagem, e tal.
Mas eu sinto falta...

Te contar, levei um balão :D
Pessoal cretino da Saraiva pegou meu dinheiro e nunca me mandou o notebook, aheiuhaeiua. O jeito agora é rir né, vou chorar pra que? 7 dias pra ter o reembolso do dinheiro, ou mais 9 dias pra que eles enviem outro notebook, porque, segundo a empresa, a carga foi roubada a caminho da cidade. Aiai.

Isso tudo, mais o trabalho, o programa de rádio da faculdade e outras coisas tem me dado uma dor de cabeça da porra e tirado um pouco o sono. E eu me peguei pensando hoje que eu não era tão assim quando você tava por perto. Não sei se pelos encontros ao acaso, no meio da semana, que me enchiam de esperança e conselho e que faziam as coisas darem certo ou pelas ligações desesperadas no meio do nada perguntando o que fazer ou como agir, ou até mesmo pelas gargalhadas de histórias trágicas que acabavam virando deboche com a gente. Tudo era piada. A gente era bom nisso, hein?

Rir tá tão mais difícil agora...
Acho que tô virando gente grande, e você nem tá aqui pra acompanhar isso, seu bosta!

Beijo, manda notícia.

P.s: Vou te mandar meus programas gravados na rádio anexados em um e-mail. Daí você salva, passa pro seu mp4 e houve um tostão da minha voz, hohohoh.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Às vezes a gente tem que brincar de ser adulto.
Levantar a cabeça, respirar fundo, engolir toda a raiva e ter um pouco mais de paciência...

terça-feira, 24 de março de 2009

Não façam a mesma merda que eu: NUNCA COMPREM NA SARAIVA

Renata Lopes Olá Luana Sena, em que posso ajudar?
Luana Sena quero um SAC 0800 AGORA pra falar com a empresa ou vou denunciá-los
Luana Sena e não vou ficar aqui de palhaça falando com um serviço de mensagens automáticas não, ok?
Luana Sena se virem em me atender de forma digna, porque eu paguei CARO por um produto que até hoje não recebi
Renata Lopes senhora Luana não temos 0800, o telefone do SAC é 11- 3335-2957
Luana Sena E NÃO VENHA ME PEDIR 'DESCULPA PELO TRANSTORNO', QUERO UMA RESPOSTA CLARA E DIRETA AGORA SOBRE A ENTREGA DO MEU NOTEBOOK OU DO CONTRÁRIO CANCELAREI O PEDIDO
Luana Sena mas por lei vocês são obrigados a ter um sac 0800 que atenda, inclusive, celular
Luana Sena quer dizer que agora eu tenho que desenbolsar um interurbano pra pedir uma satisfação pela não entrega de algo que eu PAGUEI A VISTA?
Luana Sena O QUE DIABOS VOCÊS FIZERAM COM O MEU PRODUTO?
Luana Sena QUAL A DIFICULDADE DE CUMPRIR UM PRAZO ACORDADO, MINHA FILHA?
Renata Lopes verifiquei seu pedido a entrega esta prevista para hoje
Luana Sena pode me dizer se está pelo menos na cidade?
Luana Sena porque o prazo eram 9 dias, hoje fazem 10
Renata Lopes já foi encaminhado para a cidade sim
Luana Sena e se não for entregue hoje
Luana Sena vocês vão me devolver o dinheiro?
Luana Sena a minha paciência se esgotou
Renata Lopes caso a senhora queira o cancelamento, solicitaremos a devolução da encomenda junto a transportadora
Renata Lopes assim que o pedido chegar é encaminhado um e-mail para senhora onde poderá fornecer os dados bancarios para que seja feito o reembolso
Luana Sena minha filha, eu já esperei 10 dias
Luana Sena 10 dias dá para fazer um notebook novo
Luana Sena eu quero o meu produto até as 21h de hoje, é só isso, e ficamos quites
Luana Sena da última vez que falei com esse atendimento online disseram que ia atrasar e que eu deveria esperar mais 5 dias
Luana Sena acontece que eu não tenho mais 5 dias pra esperar, e se o produto já está na cidade, me diga o endereço que eu indo buscar a pé ainda é mais rápido, ok?
Renata Lopes não temos acesso ao endereço da transportadora e nem aos telefones.
Luana Sena porque são uns incompetentes, irresponsáveis, que brincam com a cara do cliente sem um pingo de respeito pelo consumidor
Luana Sena vou esperar só até as 21h de hoje, estou avisando
Luana Sena se chegar amanhã, piso em cima e quebro todo o produto
Luana Sena e nunca mais compro nessa porcaria de empresa
Luana Sena além, é claro, de queimar o filme por toda a cidade, hahaha
Luana Sena adeus

sexta-feira, 20 de março de 2009

GGRRRRRRRRRRRRRRRR

ATENDIMENTO ON-LINE SARAIVA.COM

Denis Vilela Olá Luana Sena, em que posso ajudar?
Luana Sena quero saber a previsão de entrega do meu notebook
Luana Sena hoje fazem 8 dias, vão entregar só no último dia do prazo mesmo?
Luana Sena alô, moço?
Denis Vilela Obrigado por aguardar, desculpe-me a demora.
Luana Sena tudo bem, eu só quero uma resposta
Denis Vilela Pedimos desculpas pelo transtorno. Encaminharei esse diálogo ao departamento responsável para que possamos buscar a melhor forma de solucionar essa eventualidade. Contamos com sua compreensão.
Luana Sena conto com o meu notebook neste fim de semana, e eu sei que voces não fazem entrega no sábado, portanto...
Luana Sena segunda é o fim do prazo
Luana Sena obrigada
Denis Vilela Pedimos desculpas pelo transtorno causado, houve uma eventulidade com a nossa transportadora que
impossibilitou a entrega no prazo acordado

Desta forma será feito o contato com a transportadora, pedindo a entrega do seu pedido com prioridade.
Luana Sena ah, fico muito grata
Luana Sena data?
Denis Vilela Pedimos que aguarde a entrega em até 05 dias úteis
Luana Sena MAIS 5 DIAS?
Luana Sena obrigada

[SAIR]

Só pode ser um pesadelo...

domingo, 15 de março de 2009

Carta 3

querido xilipe,


sei que você não deixaria um plínio marcos passar assim tão fácil :\

Preguiça

Meu único sonho é que as roupas fossem andando sozinhas até o tanque e voltassem limpas, secas e passadas.


Meu quarto tá que não tem nem onde sentar direito.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Produção e redação para radiojornalismo

Caralho, a produção do meu programa tá me deixando doooooooooidaaaaaaaaaaa ;~~~~~~

segunda-feira, 9 de março de 2009

Não aceita! Não aceita!

Xilipe: Ei maluquinha... o Sobrinho me falou q tinha um notebook q normalmente custa 4 mil e na net tá custando só 2 mil. O número dele é: ********; já o número da casa dele é: ºººººººº. Liga pra ele e diz q é minha prima e tal... enfim... com certeza ele vai te tratar muitíssimo bem!!!! Qualquer coisa me liga.
B-jão e té mais!!!!

Luana Lia: brigaada primo ;]
a questão é que eu só tenho 1.500 :D
ahuiehuaie
mesmo assim, fizemos uma pesquisa de preço e consegui convencer o papai de que não se encontra notebook por menos disso. Fiquei então com um semp toshiba, 2GB, 160 de HD e tela de 14", por 1.795. Achei em conta, já que o preço em todo lugar é 2.100.
pedi ontem pela saraiva.com, mas leva mais de 10 dias pra chegar ;~
enfim, saudade pra porra de ti.
:*

domingo, 8 de março de 2009

Carta 2

querido Xilipe,

que falta você me faz ;~~~~~

quinta-feira, 5 de março de 2009

Você se foi, você partiu

Querido Felipe,

digo, querido MESTRE Felipe,

faz pouco menos de 3 horas que tu partiu, e eu já tô aqui escrevendo a primeira carta (e eu sei que serão muitas), endereçada a Praia do Futuro. É que quando tu saiu por aquela porta, com aquela mala do tamanho do mundo - e que eu tenho certeza que me caberia lá dentro, era só eu ter emagrecido aqueles 3 quilos - uma pilha de livros velhos - alguns muitos, outros nem tanto - o leãozinho embaixo do braço e uma manta pro caso de fazer frio na viagem, eu senti. Senti sim, naquele abraço, o teu coração apertado. A gente fica aqui se lamentando da falta que tu vai fazer e se esquece que talvez a barra maior vai ser pra ti, que, além de livros, cds, manta e um leão de pelúcia velho e assanhado, tenha que levar na mala também coragem. E muita. Mesmo a gente sabendo que tu já tá quase cearense de tanto que andou por lá esses últimos tempos, a gente se preocupa, sabe? Eu tenho certeza que depois que tu saiu, e a vó foi lá pra dentro do quarto como quem termina de arrumar a bagunça que tu deixou ao finalizar a mala, ela tava chorando. Mas não de pensar que agora vai dormir sozinha a maioria das noites, e que tu não vai tá mais lá por perto pelos próximos anos, pra reclamar da comida, da vida, do som da tv, das coisas que ela compra ou dela te acordar pra alguma coisa. Ela devia mesmo era tá pensando em quem vai lavar tuas cuecas, fazer teu prato na hora do almoço, guardar os melhores pedaços do frango pra ti ou deixar teu sanduíche só no ponto de esquentar no microondas pra quando tu chegar morto de fome daquelas farras infinitas. Mas deixemos o choro da vó de lado, porque ela gosta de chorar sozinha, escondida. (na verdade, eu nunca tinha visto a vó chorando antes de hoje).

Pois bem, então. Eu vim pra casa né? Depois da gente se abraçar e tu perguntar se eu ia te deixar no ônibus - Ôpa, foi mal. Vamos fingir que você foi de avião, pra ficar mais poético - eu respondi 'não, esse é o último', me referindo ao abraço e não ao choro, porque eu sei que ainda vou chorar muito por esses tempos que você tiver fora. É engraçado que as pessoas ficam tentando consolar a gente dizendo que Fortaleza é bem aí, e que agora a gente tem um apartamento na praia pra passar as férias e feriados, como se o tio nunca tivesse morado lá e como se isso fosse a mesma coisa de ouvir quase que todo dia tua palma já tão conhecida aqui em casa e ir abrir o portão correndo, pra tu sair do sol e vim usar meu computador com o pretexto de vir me visitar. Ah, aquelas tardes! Tu mal acabou de partir e isso tudo já parece tão distante... queria eu ter aproveitado mais cada segundo daqueles aqui contigo. Mas não, eu sempre com aqueles sonos mais cretinos do mundo, que me faziam dormir até babar, e às vezes quando abria os olhos tu já tinha até ido embora - e só depois eu via um copo sujo de bananada ou leite com nescau que a De Deus fazia pra ti com tanto carinho.

Mas também não é nem de vitaminas e copos sujos que quero falar agora não. Na verdade, eu queria que você pudesse me ver nesse momento, como tão boba que sou. Quer dizer, que pudesse ver em foco só o rosto e os olhos marejados, de cima pra baixo, diante da tela do computador, em plano americano, como se chama no jornalismo, não precisando mostrar assim o pijama velho e maior que eu uns 2 números que tô usando nessa noite fria.

Choveu até agora pouco. Parecia que tinha alguém lá em cima adivinhando a tristeza da gente aqui embaixo. É impressionante como de repente a casa ficou tão vazia sem tu e as tuas tralhas. Eu fiquei na janela olhando a chuva cair enquanto a mamãe fumava um cigarro e fungava um pouco lá na porta, fazendo planos de te ligar no sábado pra saber como foi a viagem e outras coisas. A vovó lá dentro, como já disse. Aí depois eu vim pra casa, ainda com chuva. Mas não se preocupe, não me molhei. Vim de táxi. E fiquei tentando calcular no caminho quantas vezes a gente teria feito o mesmo percusso de manhã, de tarde, de madrugada, conversando besteira, falando das pessoas e das coisas - e mais das pessoas do que das coisas - e agora ele começava a parecer tão grande e perigoso sem você por perto. Tudo aqui, aliás, vai ficar agora meio grande demais, meio eterno demais, meio sem graça demais. Pode apostar. Mesmo todo munso falando que 2, 3 anos, sei lá quantos vão ser, passam rápido e que quando a gente menos esperar você vai estar aqui de volta. Mas eu sei que não vai ser bem assim, e isso me faz chorar mais do que saudade.

É o diabo do medo. Um medo quase que desesperador que eu sinto de que você não volte mais. E o pior é que isso pra mim já é quase tão certo, que nem me espantaria ligar no fim de semana pra saber como você está e você se dizer ocupado, com uma turma nova de amigos em algum boteco bem massa da cidade e não poder falar muito. Aí você vai conhecer um monte de gente, um monte de gente até melhor que eu, melhor que nós. Pessoas que talvez nem liguem pro fato de você ser de Guaribas - hahaha, brincadeeeeira - e te tratem como o tal, como o MESTRE. O título que você vai conseguir por merecimento, e que na verdade, eu acho bem melhor do que pintor de parede mesmo.

E aí no meio desse grupo vai ter alguém especial por quem você talvez se apaixone, e aí termina os anos de pesquisa, e nós vamos todos ter de convencer a vó de ir para o seu casamento provavelmente em Jericoacoara, ou em algum outro lugar assim que eu não conheço, e convencer a tia Lêda de aumentar a produção de bolo pra poder pagar hotel pra hospedar toda a família, porque até já imagino que não vai caber todo mundo no seu apartemento com dois quartos, sala e cozinha - cozinha do tipo americana, que a gente tanto falava que era boa de fazer reuniões com amigos e macarronadas por causa daquele balcão de mármore, lembra? - O outro quarto poderia até caber as meninas com a Nati e a Rebeca que tanto vão fazer questão de ficar na casa do tio Xilipe, se não tivesse ocupado com tantas coisas que tu comprou com o salário bom que tá ganhando como professor de alguma universidade fodona por lá. Eu vou poder te ajudar a instalar o pc última geração que tu comprou, aí nós vamos rir muito lembrando do sufoco que tu passou pra concluir a monografia no meu tartaruga...

Isso tudo me faz rir e chorar muito, e tudo ao mesmo tempo assim de maneira muito estranha. Porque eu te desejo sim, muita coisa boa. Aliás, todos nós aqui, os Cunha Lopes e os teus amigos, quase Cunha Lopes também de tanta convivência e muita gente até te inveja de tanto amor que tu recebe de uma família até meio pequena. Mas eu queria de verdade mesmo era tu perto da gente, mesmo sabendo que isso é de um extremo egoísmo de nossa parte, mas fazer o que, né? É que agora que tu tá distante eu tenho a sensação de que faltou dizer tanta coisa. Mesmo eu tendo saído do emprego e matado aula só pra ir te dizer alguma coisa mais, e acabei dizendo meio atropelada, diante de tanto chororô. Eu não sei bem se tu ouviu. Era alguma coisa entre escreve com frequência, toma xarope pra essa tosse, dá uma olhada nos e-mails sempre que puder e eu te amo muito e você vai deixar um buraco do tamanho do universo aqui e eu vou ter que rebolar muito pra preencher esse vazio.

Aí eu chorei, chorei bastante. Mais do que na despedida, mais do que no domingo. E fui fazer aquele molho pra salsicha que tu ensinou, cantarolando alguma coisa como 'meu amor partiu', e descobri que o requeijão misturado com o pomarola fica muito mais gostoso que o creme de leite, que deixava até o molho meio adocicado. Hahaha, adocicado me lembrou 'adocica' do Beto Barbosa, que me lembrou os caicais, que me lembrou você dando instruções de como era naqueeeeeele tempo que um cara tinha que fazer pra conquistar uma garota na lambada, hahahaha.

Ah, que merda. Todos vão sentir tanto a sua falta. Até o vovô falou aqui pra mim algo do tipo 'é, o Felipe é um rapaz muito... muito... muito...', é esqueci a palavra, mas era algo como 'interessado' ou 'merecedor', na lingagem do tempo dele. E, enfim, eu não vou saber como compensar isso as pessoas. A mãe ficou pra dormir lá hoje com a vó, não se preocupa. Já tá tendo até briga pelo teu espaço no guarda-roupa e por todo o buracão que tu tá deixando lá. Eu sempre que puder vou passar lá. Vai me partir o coração entrar naquele espaço que é tua cara e não ouvir tua voz cantando no chuveiro naqueles banhos de quase uma hora que me faziam perder a paciência de te esperar pra gente ir tomar uma cerveja ou comer uma pizza ali por perto e ter alguma conversa sobre qualquer assunto que faziam eu me sentir tão entendida como quase ninguém conseguia fazer. Mas eu vou lá, vou sim. Saudade às vezes até que é bom. Me fazem repensar em quase tudo que aprendi e na verdade, no que mais desaprendi contigo e vê o quanto eu fui feliz por ter tido você no meu caminho, na minha família, no meu coração, suprindo toda a necessidade que eu já tive de carinho, afeto e atenção até hoje.

Hoje eu nem sou mais aquela menina mimada e chata, que tu começou a mostrar algumas músicas legais e de repente a gente foi tendo tanta coisa em comum e tantos gostos e piadas iguais que as pessoas quase nem reconheciam quem era quem, mas eu ainda sinto necessidade de aprender um monte de coisa, e gostaria que você pudesse estar por aqui pra me guiar, ser meu exemplo, meu espelho. Por exemplo, essa dor que tá incomodando aqui no peito não vai sair assim tão fácil, e você não me falou que seria difícil quando fez todo esse plano maquiavélico de ir morar na beira-mar, ok? Acho isso muito não válido, seu bandido. Fraude. Espera aí: fraaaaaaaaaaaaaaaaaude. É isso mesmo que tu é.

E já chega de escrever por hoje, porque eu nem tenho mais nada pra dizer mesmo e tá passando da minha hora de ir dormir, coisa que eu não posso fazer, é claro, sem antes trabalhar mais um pouco. Olha, vê se não esquece daquilo que a mãe falou quando tu já ia saindo na porta: se segure na gente, meu filho! Somos sua família e vamos está o tempo todo aqui, caso tudo dê errado e você descubra que na verdade se encantou mesmo foi com brochas, pincéis e suvinis ou mesmo e principalmente se você enrricar aí pelas bandas do Ceará, tá legal? Esquece da gente não, primo.

Sem mais dramas.
Te cuida. Sucesso.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Menina de três anos criada por cães na Rússia só rosna e diz sim e não

Não resisti, haueaiehuiae.

Essa merecia ir pra 'Anão vestido de palhaço mata 8', né gente?


Matéria original aqui ;]

Luana, a menina que Lia

AEAEAEAEAEAEAEAEAEAEAEAEAE, blog novo :D